• Sobre mim mesmo…

    Adolfo Brás Sunderhus Filho é professor de História, Filosofia e Sociologia, que tem um mania de ficar observando tudo a sua volta e quando acha que algo é interessante (ou nem tanto) acaba por escrever por aqui sobre isso...
  • Calendário

    novembro 2011
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

    Junte-se a 281 outros seguidores

  • Pessoas!

    • 2,366 pessoas!

Ser o que não é…

Me pergunto, e aqueles que passam por aqui periodicamente sabem bem disso, o que anda acontecendo com a humanidade de uma forma geral. Há milhares de anos os primeiros seres humanos surgiram na Terra e de lá para cá o que os mesmos fizeram foi destruir cada vez mais e mais esse planeta no qual eles vivem. Poluição, ganância, guerras. Tudo isso levou nosso planeta a uma situação completamente deprimente. Mas, mais do que a situação ambiental, o que mais me assusta é a intolerância, ainda mais quando a assistimos, bem próxima de nós.

Ontem a noite, voltando da rodoviária de Vitória-ES, depois de meu sogro embarcar para o Rio de Janeiro, estava eu e minha esposa no trânsito quando observo ao longe uma situação um tanto estranha e reduzo a velocidade do meu carro. Chegando mais próximo, vejo uma pessoa dentro de um carro, aos berros com um motoqueiro que não tinha feito nada de errado. Ele gritava e o xingava dos mais diversos nomes e jogava o carro para cima do motoqueiro toda vez que o mesmo tentava sair e seguir seu caminho, muito provavelmente para fazer alguma entrega, dado que ele tinha aquelas mochilas típicas de entregadores nas costas.

Ficamos eu e minha esposa estupefatos e assustados com a situação. O único “erro” do motoqueiro era o fato de que ele não andava com pressa na via em que estava, enquanto o ignorante queria, provavelmente, andar em alta velocidade. Provavelmente o entregador estava procurando o local no qual ele deveria entrar para completar seu serviço, e agora estava ali, correndo risco de ser atingido por um veículo guiado por animal mal educado.

Tudo isso eu vi enquanto observava no vidro traseiro do carro dele um plástico que fazia menção a uma denominação religiosa da qual ele, provavelmente, faz parte.

O ser humano cada vez me assusta mais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s