• Sobre mim mesmo…

    Adolfo Brás Sunderhus Filho é professor de História, Filosofia e Sociologia, que tem um mania de ficar observando tudo a sua volta e quando acha que algo é interessante (ou nem tanto) acaba por escrever por aqui sobre isso...
  • Calendário

    outubro 2017
    S T Q Q S S D
    « maio    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  
  • Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

    Junte-se a 281 outros seguidores

  • Pessoas!

    • 2,377 pessoas!

Raciocínio

A reflexão, o ato de pensar, analisar, raciocinar é algo intrínseco ao ser humano, e uma dádiva que nos foi dada por Deus, a qual não podemos deixar de utilizar.

Imagino se o homem não tivesse desenvolvido a sua capacidade de pensar. Não existiríamos da forma como somos hoje, quiçá existiria ainda o homem nesse imenso planeta que chamamos amorosamente de Terra.

Há milhares de anos atrás o primeiro homem surgiu em nosso planeta (homem esse chamado, dentro do mito da criação cristão de Adão). Junto dele, surgiram outros seres humanos, e óbvio que sua companheira também (dentro do mesmo mito, chamada Eva). Assim como no mito, esse primeiro casal (junto com outros seres humanos, não presentes no texto bíblico) inicialmente viveram de tudo aquilo que era disponível no local (assim como o mito, local esse chamado de Jardim do Éden). Eram caçadores e coletores. Se alimentavam de pequenos animais que estavam próximos deles (os quais caçavam) e das frutas e outros gêneros alimentícios que conseguiam colher (por isso coletores). Esse tipo de processo de alimentação e busca de sobrevivência foi fundamental para o início do processo de ocupação territorial de tudo aquilo que foi criado pelo ser divino.

Dentro de todo esse processo expansionista começou o homem a fazer uso de sua capacidade de observação e raciocínio. Em locais nos quais os grupos humanos conseguiam ficar mais tempo, devido a abundância de alimentos, os grupos humanos começaram a observar que sementes dos frutos por eles colhidos e comidos, ao caírem no solo, depois de alguns meses vinham a brotar e até proporcionar novos alimentos. Observando esse presente divino, e fazendo uso da capacidade mais importante que Deus lhe deu, o homem desenvolveu a agricultura.

Também por meio da observação e do pensar, o homem observou que era possível construir cercados e dentro deles colocar os pequenos animais que lhes eram tão importantes para a sua alimentação, e que esses animais eram capazes de se reproduzirem e darem origem a outros animais (assim como os próprios homens) e desse modo eles teriam mais alimentos e não precisariam, assim, sair para caçar, não correndo riscos maiores.

Toda essa capacidade de observação e raciocínio foi deveras importante para o aumento da população humana no planeta Terra, tornando o mesmo cada vez mais habitado por seres racionais, pensantes e observadores, que hoje, milhares de anos depois dos primeiros homens que surgiram na Terra, criticam a capacidade de raciocínio do homem, uma vez que ela trouxe para o mesmo um desenvolvimento desenfreado e um processo de poluição intenso.

Não devemos criticar a nós mesmos, tacar pedra em algo tão maravilhoso que é o nosso cérebro. Devemos, sim, fazer uso dessa capacidade de raciocínio e observação para buscarmos aquilo que sempre buscamos: um meio melhor para se viver e garantir a nossa sobrevivência em meio as dificuldades que se mostram em nosso cotidiano.

Anúncios

Vamos ao léu…

E vão ao léu, em busca daquilo que nem sabem o que é, mas simplesmente vão, em busca de tudo e de todos, sem pensar no que isso trará para eles, e nem pensam nisso mesmo, pois não convém e incomoda. Atrapalha pensar nas consequências de tudo que nossas ações podem trazer. É melhor ir e fazer, apenas fazer. E a pergunta que surge é se isso é atitude, porque se pensarmos bem, atitude é agir, e agir é de forma consciente. E fazer, por fazer é consciente ou não?